15 LIVROS DA LITERATURA HISPANO-AMERICANA QUE DEVEM SER OBRIGATÓRIOS NA SUA VIDA


A lista abaixo contém 15 livros, entre romances, novelas e contos, selecionados por Sérgio Tavares, colunista da Revista Bula. São meras sugestões, que aqui estão por conta de dois critérios: obras assinadas por autores nascidos em países da América Latina, com exceção do Brasil, mas que foram lançadas, em algum momento, por uma editora brasileira.

Que o leitor encontre, nessa lista, boas dicas ou quem sabe, um livro que passe a caminhar contigo pelo mundo.

História do Pranto - Alan Pauls

O livro mescla o romance psicológico e a novela política. Alan Pauls usa o testemunho vertiginoso de um garoto que acreditava ser o Super-Homem para recuperar a história da esquerda argentina dos anos 70. Jovem sensível, filho de pais divorciados de classe-média em Buenos Aires, o protagonista se depara com uma encruzilhada entre sua sensibilidade e a formação política. Segue, então, em busca de uma revisão ideológico-sentimental de sua vida, numa trajetória onde coexistem um repugnante cantor de protesto, uma namorada chilena de direita, um oligarca torturado, um vizinho militar que talvez não seja o que parece, e um inusitado polvo no fundo de uma piscina... Em uma narrativa que une parágrafos e frases de ritmo rápido, o romance traz uma integração entre descrição e digressão, marca registrada de Alan Pauls. 
Ano: 2008 | Páginas: 88 | Editora: Cosac Naify | Skoob






Formas de Voltar para Casa - Alejandro Zambra

Terceiro romance de Alejandro Zambra no Brasil, Formas de voltar para casa narra as memórias – ouvidas e vivenciadas – de um homem cuja infância se passou durante a ditadura de Augusto Pinochet, no Chile. A narrativa se desdobra em dois momentos: o passado – começo dos anos 80 –, que o protagonista tenta recuperar para, então, finalizar um livro que ele está escrevendo no presente. Na busca por entender acontecimentos nebulosos, ele percorre um melancólico e dolorido caminho de volta na tentativa de escrever a própria história.
Depois de Bonsai e A vida privada das árvores (2011 e 2012, respectivamente, em edições da Cosac Naify), Formas de voltar para casa consolida Zambra (1975) como um dos melhores escritores de sua geração na América Latina. 
Ano: 2014 | Páginas: 160 | Editora: Cosac Naify | Skoob



Falar Sozinhos - Andrés Neuman

Lito tem 10 anos e sonha com caminhões. Quando se concentra com muita força, tem certeza de ser capaz de mudar as condições do tempo. Mario, seu pai, está doente e quer de todas as formas criar uma memória positiva, que fique para seu filho. Juntos, eles partem numa viagem decisiva, pela primeira vez e, quem sabe, a última. Elena, a mãe, obcecada com a ideia da perda, mergulha em uma aventura capaz de desafiar seus limites morais. E, viciada em livros, não deixa de se deparar com sua própria vida no que lê.
Em Falar sozinhos, ao mesclar de forma cativante diferentes vozes e diferentes formas de narrar, Andrés Neuman, vencedor do Prêmio Alfaguara e eleito um dos melhores escritores em espanhol pela Granta, cria uma história arrebatadora sobre como as experiências de cada um são capazes de mudar nossas ideias sobre o tempo, a memória e os nossos próprios corpos. E como a leitura, e o sexo, podem se tornar poderosas armas de resistência.
Ano: 2013 | Páginas: 168 | Editora: Alfaguara | Skoob



As Noites de Flores - César Aira


As noites de Flores conta a história de Aldo e Rosita Peyró, um casal de meia-idade que, em meio à crise econômica que assombra a sociedade argentina, resolve entregar pizzas à noite no bairro de Flores. Além de despertar a curiosidade das pessoas pela idade pouco usual ao ofício, dominado por jovens motoboys, o casal também surpreende pela forma como faz as entregas: a pé. Sempre juntos, Aldo e Rosita descobrem durante as entregas um mundo novo, formado por figuras que talvez jamais pudessem conhecer no seu pacato dia-a-dia de aposentados de classe média: bêbados, travestis, prostitutas e outras figuras da noite. 
Ano: 2006 | Páginas: 188 | Editora: Nova Fronteira | Skoob





O Boxeador Polaco - Eduardo Halfon 

O guatemalteco Eduardo Halfon é uma das vozes mais sólidas da atual narrativa latino-americana, autor de uma dezena de obras de prestígio internacional, e cujo trabalho tem sido constantemente comparado ao do chileno Roberto Bolaño. Finalmente publicado no Brasil, pela prestigiada coleção de literatura hispano-americana Otra Língua, organizada por Joca Terron, Halfon reúne, em O boxeador polaco, seis histórias que dialogam com a tradição literária e com a prática da ficção, mas que, ao mesmo tempo, mantém os pés fincados na realidade contemporânea e na história familiar e íntima do próprio escritor.
Ano: 2014 | Páginas: 128 | Editora: Rocco | Skoob








Um, Dois e Já - Inés Bortagaray


Primeiro livro da uruguaia Inés Bortagaray no Brasil, Um, dois e já é uma delicada ode às memórias afetivas. Na novela, a história é narrada em primeira pessoa por uma menina que conta a viagem de verão da família até um balneário uruguaio, dentro de um carro apertado, no início dos anos 80. A voz da narradora, ora lírica, ora jovial, mas nunca infantilizada, descortina a paisagem plana e melancólica do Uruguai, e revela a dinâmica familiar, na qual ela ocupa a peculiar e determinante posição de irmã do meio. Num relato repleto de humor e ironia, aparecem as disputas, as estratégias, alianças e brigas pelo lugar na janela e pela atenção paterna. Nos momentos de silêncio, ela cria histórias mentais, faz digressões, analisa os gestos do pai e da mãe, e pensa nas pequenas perdas da vida. 

Delírio - Laura Restrepo




É possível manter-se são num lugar insano? Delírio é uma resposta atualizada a essa questão, que já ocupou e preocupou autores como Sófocles em Édipo Rei, Shakespeare em Hamlet, Kafka em O processo, Sartre em A náusea. Um homem volta de uma curta viagem de negócios e encontra a mulher fora de casa e longe de seu juízo perfeito. Sem saber o que aconteceu durante sua ausência e na tentativa de tirá-la da crise, ele começa uma investigação que revelará a vida privilegiada, mas problemática, da mulher, imbricando várias histórias, como a de um antigo amante envolvido com o megatraficante Pablo Escobar, a de um avô alemão marcado pela tragédia e a de uma infância vivida entre a riqueza, o poder e a dor.
Ano: 2008 | Páginas: 296 | Editora: Alfaguara | Skoob






Flores - Mario Bellatin

Formado por narrativas curtas – todas com nomes de flores –, o livro narra fragmentos de vida de personagens solitários e ambíguos, como um cientista que descobre um fármaco causador de formações físicas e um escritor que pesquisa formas incomuns de sexualidade. As tramas possuem uma violência implícita, num mundo em que a anormalidade é a regra. Um aviso aos leitores: todas as flores, que referenciam esses contos, são venenosas. Suas cores maviosas e pequenezas escondem um poder de impacto fatal. Belattin é genial ao concentrar, em narrativas curtas e secas, uma malha de contundências e perturbações. Esquisitices, compulsões, crianças mutiladas; o avesso da vida, da vida ilustrada num comercial de margarina, comanda o eixo temático. Um livro que, ao se chegar à última página, é impossível sentir-se indiferente.
Ano: 2009 | Páginas: 84 | Editora: Cosac Naify | Skoob




A Festa do Bode - Mario Vargas Llosa

Com uma pesquisa histórica rigorosa e uma preocupação flaubertiana pelos detalhes, Mario Vargas Llosa recria uma República Dominicana de meados do século XX para recontar a história do general Rafael Leonidas Trujillo Molina - o "Bode" - e a implacável ditadura que implantou no país durante seus 31 anos de governo. Nos últimos dias da tirania do General Trujillo, no ano de 1961, Urania Cabral viaja a Santo Domingo, após 35 anos ausente do país, para visitar o pai doente. Enquanto ela relembra o passado, outras duas histórias narradas em paralelo colocam o leitor no centro da tomada de decisões do ditador e mostram a luta de pessoas comuns que decidem pegar em armas para derrubá-lo. Ao entrelaçar essas três histórias, o autor relata o fim de uma era e discute a natureza insaciável dos regimes totalitários. A Festa do Bode não é apenas um romance magistral; é também um mergulho em um dos momentos mais dramáticos da história recente da América Latina.
Ano: 2011 | Páginas: 456 | Editora: Alfaguara | Skoob




Alvo Noturno - Ricardo Piglia

A trama gira ao redor de Tony Durán, porto-riquenho de Nova Jersey. A razão da ida daquele moreno elegante, sedutor, de passado duvidoso, para o lugarejo argentino é obscura: dizem que mantinha um caso amoroso com as gêmeas Belladona, as belas Ada e Sofía, filhas do mandachuva local. Outras hipóteses falam em especulação, lavagem de dinheiro, e até um rumoroso caso homossexual. Assunto predileto do povoado, um dia Tony aparece morto em seu quarto de hotel. A investigação desnudará pouco a pouco uma sociedade paralisada pela lógica da violência e do poder. Enviado por seu jornal, Emilio Renzi chega de Buenos Aires para escrever a matéria - que o jornalista pretende transformar num amplo painel social. Para isso, ao lado do comissário Croce, investiga as arqueologias familiares e desconstrói os papéis dos protagonistas: ora seres destruidores, ora indivíduos inermes diante do poderio do sistema validado pelo Estado: uma sociedade em que é impossível sonhar, como evidencia o destino de Luca Belladona, que pagará sua resistência e sua utopia com a solidão extrema.
Ano: 2011 | Páginas: 256 | Editora: Companhia das Letras | Skoob



2666 - Roberto Bolaño


Fiel aos dois principais temas que atravessam toda a obra do autor chileno - violência e literatura -, o livro é composto de cinco romances, interligados por dois dramas centrais: a busca por um autor recluso e uma série de assassinatos na fronteira México-Estados Unidos.
A primeira história narra a saga de quatro críticos europeus em busca de Benno von Archimboldi, um escritor alemão recluso do qual não se conhecem fotos. Na segunda, há a agonia de um professor mexicano às voltas com seus problemas existenciais. O terceiro romance conta a história de um jornalista esportivo que acaba se envolvendo com crimes cometidos contra mulheres da cidade de Santa Teresa, no México (ficcionalização de Ciudad Juárez). Na quarta e mais extensa das partes do livro, os crimes de Santa Teresa são narrados com a frieza e o distanciamento próprios da linguagem jornalística das páginas policiais. E finalmente, na quinta história o leitor é conduzido de volta à Segunda Guerra, tornando-se testemunha do passado misterioso de Benno von Archimboldi.
Apesar do tamanho monumental - a edição espanhola de 2666 tem mais de mil páginas -, a trama enigmática mantém o leitor em estado de suspensão até as últimas palavras, quando só então o autor oferece a solução que permite compreender o conjunto do livro.
Recheado de reflexões sobre a natureza do mal, a relação entre cultura e violência e, de quebra, a situação do intelectual latino-americano, 2666 é um livro inteligente, surpreendente e de leitura fácil. Não por acaso, fez uma carreira tão assombrosa no contexto da crítica internacional e entrou para o rol dos grandes fenômenos literários da atualidade.
Ano: 2010 | Páginas: 856 | Editora: Companhia das Letras | Skoob






Pássaros na Boca - Samanta Schweblin





Primeiro livro de Samanta Schweblin publicado no Brasil, Pássaros na Boca é uma antologia de contos que demonstra por que a escritora argentina é considerada a herdeira literária de mestres do realismo fantástico como Bioy Casares e Julio Cortázar. As dezoito histórias aqui reunidas começam com situações cotidianas que vão, pouco a pouco, assumindo contornos perturbadoramente insólitos, por vezes aterrorizantes. São homens e mulheres, jovens e crianças diante de um mundo hostil em que, de um instante para outro, sem qualquer ruptura ou explicação, o que parecia normal deixa de ser, e de maneira irreversível.
Ano: 2012 | Páginas: 224 | Editora: Benvirá | Skoob






Purgatório - Tomás Eloy Martínez

Depois de trinta anos de procura e espera, Emilia Dupuy reencontra, num bar de Nova Jersey, seu marido, Simón Cardoso, desaparecido político da ditadura militar argentina, dado como morto. Após um instante de incredulidade, ela se certifica de que é ele mesmo. E nota que o marido absolutamente não envelheceu: está exatamente igual ao que era quando o casal foi detido, nos confins da província de Tucumán. O inusitado reencontro permite a Tomás Eloy Martínez recuperar a atmosfera asfixiante que tomou conta da Argentina depois do golpe de 1976. “Naqueles tempos as pessoas desapareciam aos milhares sem nenhuma razão aparente”, escreve o romancista, cuja obra tem se caracterizado pelo enfrentamento sistemático das feridas mais dolorosas da história recente de seu país.
Ele próprio marcado pela experiência do exílio, Martínez fez deste romance o mapa descontínuo da espera de Emilia pelo reencontro com seu marido, espera que é sutilmente comparada a uma estadia no purgatório. “Você fica nele uma eternidade, mas do outro lado da eternidade está o céu”, diz o Simón reaparecido à sua esposa agora sexagenária.
Ano: 2009 | Páginas: 248 | Editora: Companhia das Letras | Skoob



Rostos na Multidão - Valeria Luiselli

No México, uma jovem mãe de duas crianças pequenas tenta escrever um romance sobre sua juventude em Nova York e a obsessão que tem por um excêntrico e obscuro poeta mexicano, Gilberto Owen - que viveu na mesma cidade nos anos 1920. A presença quase fantasmagórica do poeta envolve a narradora com frequência. A vida familiar da jovem rui lentamente, assim como a de Owen ruía tantas décadas atrás. Enquanto busca recriar a biografia do escritor conterrâneo, a voz da narradora, outrora tradutora de livros estrangeiros em uma pequena editora nova-iorquina, começa a dar lugar à voz do próprio Owen. O espectro de um poeta desiludido e à beira da morte vai tomando forma e sua fala gradualmente ocupa seu espaço na narrativa, para contar ele próprio sua trágica jornada. Nestas vozes entrelaçadas estão histórias distantes no tempo, mas próximas na essência: vidas em constante movimento, que recordam seu passado enquanto procuram reagir às dificuldades do presente. Tanto a narradora quanto Owen, falecido em 1952, abordam os temas de identidade, desintegração e perda. A inventiva estrutura de narração de Valeria Luiselli faz de Rostos na multidão um romance multifacetado e emocionante, fruto de uma das vozes mais surpreendentes da nova literatura latino--americana. 
Ano: 2012 | Páginas: 168 | Editora: Alfaguara | Skoob

O Fundo do Céu - Rodrigo Fresán





Um dos mais originais escritores latino-americanos da atualidade, Rodrigo Fresán (1963) realiza em O fundo do céu seu feito mais radical. Apaixonado por ficção científica, ele cria um romance não linear que homenageia esse gênero. Na história, dois jovens amigos, loucos por sci-fi¸ compartilham também o trágico amor por uma mesma menina, linda e misteriosa. A beleza e a profundidade das frases, aliadas à variedade de vozes narrativas e às oscilações temporais, conduzem o leitor por uma viagem de estranheza hipnótica. De John Cheever a Kurt Vonnegut, de Philip K. Dick a Stanley Kubrick, passando por Bioy Casares e Ray Bradbury, o livro presta tributo aos grandes mestres da ficção científica e suas adjacências. 
Ano: 2014 | Páginas: 352 | Editora: Cosac Naify | Skoob






Gostaram? Já leram alguns destes?
Me conte aí nos comentários, que lerei com muito amor ♥
Beijos e até a próxima!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS 17 MELHORES SUSPENSES DE TODOS OS TEMPOS

VOCÊ CONHECE: BERNARDO PELLEGRINI? [3/4]

VOCÊ CONHECE: BERNARDO PELLEGRINI? [4/4]